fbpx

Dia Internacional da Mulher: o que você precisa saber

 
Nesta sexta-feira, 8 de março, comemoramos o Dia Internacional da Mulher. 
 
A data faz referência a um trágico acontecimento, em 1857, nos Estados Unidos, em que operárias de uma indústria têxtil foram queimadas vivas por protestarem por melhores salários, condições de trabalho, redução da jornada de trabalho de 16h para 10 horas/dia e tratamento igualitário em relação aos homens. Naquele ano – e não é muito diferente ainda hoje em dia –, as operárias recebiam um terço do salário dos homens para executarem as mesmas atividades. 
 
Como forma de reivindicar essa e outras lutas históricas por igualdade, entre as quais, o direito de poder sair na rua sozinha, o sufrágio universal, creches, direito de estudar, entre outros, é que foi instituído um Dia Internacional da Mulher. Mas até chegar a essa data, muitas outras manifestações foram necessárias e, infelizmente, milhares de outras mulheres morreram.
 
Apesar de sabermos que o Dia Internacional da Mulher existe porque historicamente as mulheres são marginalizadas e invisibilizadas, e seus direitos violados, existem aqueles que questionam: mas por qual razão não temos o dia internacional do homem?Parece piada, mas é sério! E embora tais questionamentos tenham propósitos aparentemente despretensiosos, no fundo eles visam: 1) deslegitimar a luta das mulheres que são oprimidas por serem mulheres e 2) reescrever a história secular/milenar de opressão das mulheres, numa tentativa de ressignificar todas as situações em que o sexo feminino foi subjugado nas sociedades humanas. 
 
Para esse ponto, encontramos aqui uma reflexão interessante:
 
“Que poder as mulheres têm para oprimir os homens no ponto de vista hierárquico? Que base histórica e social existe para essa opressão? A mulher é oprimida e não opressora. Em nenhum contexto isso se altera.
 
Mulheres morrem por serem mulheres, homem não morrem por serem homens. Homens matam mulheres por serem mulheres. [...]
 
Ao entendermos tudo isso, fica fácil saber o porquê da não existência de um dia internacional do homem. Seria o mesmo de existir um dia da consciência branca ou uma parada hétero/dia do orgulho hétero.
 
Homens [...] já são privilegiados e já estão no topo da hierarquia. Não precisam de mais visibilidade, porque sua superioridade social garante exclusiva atenção. Já as mulheres, oprimidas, têm direito a pelo menos um dia para promoção da visibilidade de sua luta.”
 
Enquanto igrejas cristãs, é nosso dever mostrar que Deus não se agrada da injustiça:
 
+ Ele “não faz acepção de pessoas” (Atos 10:34)
+ Criou homem e mulher em pé de igualdade (Gênesis 1:31)
+ Em Cristo não há distinções de sexo que legitime a opressão (Gálatas 3:28)
 
Atividades
 
As mulheres do Movimento Espiritualidade em Ação, do qual o CONIC faz parte, organizam, para o dia 13 de março, duas atividades em alusão ao Dia Internacional da Mulher. 
 
A primeira será uma Roda de Conversa que vai abordar o tema: “Vozes de Mulheres sobre o Sagrado”. A ação será na Fundação Cultural Palmares, em Brasília.
 
 
A segunda atividade será uma Caminhada Inter-Religiosa “Em Memória Delas – Pela Vida de Todas”, que fará alusão às muitas mulheres vítimas de violência e feminicídio. A concentração também será na Fundação Palmares, conforme convite abaixo.