fbpx

ONU lança plano de ação contra discurso de ódio

 
O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, lançou nesta terça-feira (18), em Nova Iorque, uma estratégia e um plano de ação sobre o discurso de ódio. O lançamento ocorreu durante um informe aos Estados-membros da organização.
 
O objetivo da iniciativa é aprofundar a compreensão por parte de todas as entidades das Nações Unidas sobre o impacto insidioso do discurso de ódio e como os organismos podem abordá-lo de maneira mais eficaz em seu trabalho.
 
A estratégia pede mais apoio aos Estados-membros, bem como um maior envolvimento junto às empresas privadas, à sociedade civil e aos meios de comunicação social.
 
A Estratégia fornece ideias sobre como abordar as causas e os impulsionadores do discurso de ódio, e como reduzir seu impacto nas sociedades.
 
“O discurso do ódio é em si mesmo um ataque à tolerância, à inclusão, à diversidade e à própria essência de nossas normas e princípios de direitos humanos. Mais amplamente, isso prejudica a coesão social, corrói os valores compartilhados e pode lançar as bases para a violência, retardando a paz, a estabilidade, o desenvolvimento sustentável e o cumprimento dos direitos humanos para todos”, disse Guterres durante o lançamento.
 
Nos últimos 75 anos, o discurso de ódio tem antecedido graves crimes internacionais, incluindo o genocídio, em países como Ruanda, Bósnia-Herzegovina e Camboja.
 
Mais recentemente, o discurso de ódio está fortemente ligado ao aumento da violência, resultando em assassinatos em massa em várias partes do mundo, incluindo na República Centro-Africana, no Sri Lanka, na Nova Zelândia e nos Estados Unidos. Governos e empresas de tecnologia estão lutando para prevenir e responder ao ódio online organizado.
 
“À medida que novos canais para o discurso do ódio estão alcançando audiências mais amplas do que nunca em uma grande velocidade, todos nós – as Nações Unidas, governos, empresas de tecnologia, instituições educacionais – precisamos intensificar nossas respostas”, disse Guterres.
 
O conselheiro especial da ONU para a Prevenção do Genocídio, Adama Dieng, acrescentou: “Em linha com o compromisso de longa data das Nações Unidas com a proteção, promoção e implementação de todos os padrões internacionais de direitos humanos, a estratégia e plano de ação nunca exigem restrições à liberdade de expressão e opinião para enfrentar o discurso de ódio”.
 
“Em contrapartida”, explicou Dieng, “adota uma abordagem holística que visa abordar todo o ciclo de vida do discurso de ódio, desde suas raízes até seu impacto nas sociedades. Também considera que mais discurso – alternativo, positivo e contranarrativo – é a resposta ao discurso de ódio”.
 
Para fortalecer o apoio da ONU aos Estados-membros, o secretário-geral anunciou que pretende convocar uma conferência sobre o papel da educação para abordar e construir resiliência contra o discurso do ódio.
 
Ele também designou o conselheiro especial da ONU para a Prevenção do Genocídio como o ponto focal da ONU para a implementação da Estratégia e Plano de Ação. Dieng supervisionará e facilitará o desenvolvimento de orientações mais específicas sobre a implementação.
 
Fonte: Nações Unidas
Foto: ONU/John Isaac