fbpx

Você sabe por que junho é o mês do Orgulho LGBTI?

 
Neste mês de junho fez 50 anos da Revolta de Stonewall, que deu a origem ao dia do Orgulho! Faz referência à revolta de Stonewall, ocorrida em Nova York, no dia 28 de junho de 1969, quando um grupo de pessoas LGBT resolveu enfrentar a frequente violência policial sofrida pelos homossexuais.
 
Nos anos 1960 havia ainda poucos lugares que aceitavam LGBTIs com tranquilidade, mas um deles, em Nova York, era o bar Stonewall Inn, no bairro de Greenwich Village. Esse bar era conhecido, aliás, por reunir a parcela mais marginalizada da comunidade: transgêneros, homens gays afeminados, mulheres lésbicas masculinizadas, drag queens, entre outros.
 
A época era propícia para colocar o dedo na ferida de questões delicadas. Os anos 1960 foram marcados pela contracultura, e os movimentos pelos direitos humanos e contra a guerra estavam em alta. Em 1969, cansados de tanta injustiça, a comunidade LGBTI que se reunia no Stonewall Inn se revoltou. Durante dias eles enfrentaram a polícia, que fazia batidas frequentes no bar, agindo contra os frequentadores com violência e opressão.
 
O que aconteceu no Stonewall Inn foi impossível de ser ignorado. Jornais como o New York Times e o New York Post cobriram os acontecimentos. O que começou como uma revolta contra a opressão policial no bar se transformou em uma luta pelos direitos LGBTI de uma forma mais ampla. Ninguém mais ia se esconder.
 
Em 1970, ano seguinte às Revoltas de Stonewall, aconteceram as primeiras Paradas LGBTI nos EUA, celebrando o aniversário do evento. A data exata da comemoração é 28 de junho – Dia Internacional do Orgulho LGBTI. Em 1970 aconteceram manifestações nas cidades de Los Angeles e Chicago, além de Nova York. Em 1971 foi a vez de Boston, Dallas, Milwaukee, Londres, Paris, Berlim Ocidental e Estocolmo. E, desde então, a cada ano, mais e mais cidades se unem e se organizam para lutar pelos direitos LGBTI.
 
A primeira edição da Parada do Orgulho LGBTI em São Paulo aconteceu em junho de 1997, na Avenida Paulista. Icônico palco de protestos e celebrações, a avenida recebeu cerca de 2 mil gays, lésbicas, travestis e ativistas para celebrar o orgulho e protestar contra o preconceito. Em 2019, a Parada reuniu cerca de 3 milhões de pessoas.
 
Agora que você já sabe um pouquinho da história envolvendo esse dia, que tal nutrir um pouco mais de empatia com nossos irmãos e irmãs LGBTI? Jesus nos ensina a amar incondicionalmente. Isso significa que o amor cristão não impõe condições. Além disso, vale lembrar que “a misericórdia triunfa sobre o juízo!” (Tiago 2:13). 
 
Portanto, antes de julgar, ame!
 
CONIC com informações dos Escoteiros do Brasil
Foto: Pixabay