fbpx

Luteranos e católicos compartilham templo em Campo Limpo Paulista

 
Católicos e luteranos utilizando um mesmo espaço de culto? Como isso é possível? O relato que veremos a seguir mostra como isso aconteceu em Campo Limpo Paulista, estado de São Paulo. Ele foi partilhado pelo pastor Felipe Milani e, certamente, servirá de inspiração a muitos. Confira!
 
Coworking e Ecumenismo
 
Temos percebido cada vez mais a urgência da temática da sustentabilidade do mundo. No meio dos negócios, por exemplo, a expressão COWORKING é utilizada para designar o compartilhamento de espaço físico e recursos de escritório. É uma revolução. Cria-se, nesse meio, respeitando a independência do negócio de cada um, uma verdadeira comunidade colaborativa que compartilha não apenas espaço físico, mas valores, ideias e experiências.
 
O que isso tem a ver com a igreja? 
 
Em Campo Limpo Paulista, estado de São Paulo, a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB) e a Igreja Católica Apostólica Romana (ICAR) firmaram uma espécie de 'coworking' também. Chamo isso de um ecumenismo sustentável. A comunidade Santo Antônio passou a ceder gentilmente seu espaço para que a IECLB pudesse realizar celebrações.
 
É o início, quem sabe, de uma comunidade colaborativa, que compartilha não apenas espaço físico, mas valores, ideias, experiências, serviço cristão, ainda que sejamos independentes institucionalmente.
 
Primeiro culto
 
O primeiro culto dentro da paróquia católica foi em julho do ano passado, e reuniu pessoas de diferentes denominações cristãs. Teve até membros de igrejas como Assembleia de Deus e Congregação Cristã, além de pessoas que não frequentam igrejas – talvez por curiosidade. 
 
A celebração focou na temática da unidade da igreja e a unidade do ser humano, tendo como acolhida a frase de Miguel de Cervantes: “Quando se sonha sozinho é apenas um sonho. Quando se sonha juntos é o começo da realidade.” Durante a prédica/homilia, foi lembrado o pensamento do papa João XXIII: ‘o que nos une é maior do que o que nos separa’.
 
De maneira concreta, essa unidade pôde ser vivenciada e percebida no momento da hospitalidade eucarística, onde se reconheceu que o desejo de Deus, em Cristo Jesus, é que todos e todas sejam um, assim como o Pai e o Filho são (Jo 17:21).
 
Diante de uma época em que a intolerância e o fundamentalismo religioso efervescem em grupos e movimentos, gerando violências diversas (a muitas vezes desnecessárias), testemunhos como esse servem como esperança e incentivo para que mais comunidades busquem aproximação e dialoguem sobre a importância da religião, qual seja, na busca de um mundo melhor.
 
Felipe Milani - Ministro da IECLB em Valinhos/SP
Foto: Reprodução